Cunha trabalha na faxina da cadeia onde está preso

O deputado cassado Eduardo Cunha, que já foi um dos homens mais poderosos do país —como presidente da Câmara, comandou a votação do impeachment de Dilma Rousseff e era o terceiro da linha de sucessão na Presidência— agora distribui quentinhas na cadeia no Paraná.
Cunha ocupa uma das funções que, no jargão da cadeia, tem o nome de “faxina”. Não está necessariamente ligado à higienização do prédio. Há presos da faxina que fazem a limpeza das alas. Outros levam roupas à lavanderia e distribuem remédios. E há os que, como Cunha, ficam responsáveis pela refeição. A cada dia trabalhado, o detendo abate um dia de pena, segundo a Lei de Execução Penal.
A rotina do ex-presidente da Câmara começa às 6h. Ele e cinco internos são liberados de suas celas para receber no portão da galeria um carrinho com pães untados com margarina, café com leite e uma fruta. O carrinho entra na ala, e Cunha então separa as marmitas comuns das que são preparadas para os presos com restrições alimentares. Coloca tudo em uma maca improvisada como mesa.
São 32 celas no pavilhão. Cunha vai de cubículo em cubículo entregando a comida, o que na gíria da cadeia é chamado de “pagar boia”. Ele passa canecas, pães e frutas por uma pequena janela recortada no meio da porta de ferro.
Apesar de o peemedebista não ser advogado, alguns detentos da Lava Jato o consultam sobre seus processos.
(…)
Quem convive com os presos diz que Cunha é tratado com reverência pelos detidos na Lava Jato. O ex-deputado refuta, no entanto, qualquer contato mais íntimo.
Dias atrás, Eduardo Aparecido de Meira, dono da Construtora Credencial, alvo da 30ª fase da operação, arriscou um abraço. Foi afastado com o braço e recebeu um olhar de desaprovação. Cunha é classificado por agentes como o mais frio dos presos da Lava Jato que já passaram pelo presídio. Demonstra pouco ou nenhum sentimento.”

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo