MPF: combate à corrupção deve respeitar processo legal e liberdade de imprensa

Em um claro recado à conduta do ex-juiz Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do MPF, disse nesta segunda-feira, 15, que prevenção e o combate à corrupção são legítimos “quando se articulam com o respeito ao direito dos investigados”

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão que integra o Ministério Público Federal (MPF), publicou nota nesta segunda-feira, 15, sobre os vazamentos de diálogos da Vaza Jato. Em nota, a PFDC reforça que o combate à corrupção deve se dar com “respeito ao devido processo legal e à liberdade de imprensa”.

O órgão do MPF ainda destacou que a luta contra corrupção é legítima quando investigados e acusados têm direito a um julgamento justo. “A prevenção e o combate intransigente à corrupção são legítimos quando se articulam com o respeito ao direito dos investigados e acusados de responderem a um processo justo, bem como com a liberdade de manifestação jornalística e de garantia do direito coletivo de receber e buscar informação”.

A PFDC afirmou também que eventual obtenção ilegal das mensagens da Vaza Jato não obstrui o direito de publicação. “A ilegalidade na obtenção das mensagens também não obstrui o direito de publicação. Eventualresponsabilidade pela invasão indevida de privacidade deve ser investigada de modo autônomo e, se comprovada, sancionada, sem, contudo, interferir na liberdade de publicação dos conteúdos”.

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo