“A culpa não pode ficar só comigo”, diz em carta médico que recorreu ao suicídio ontem

A Secretaria de Estado da Saúde emitiu nota, no mínimo ridícula, querendo prestar solidariedade ao médico Mariano de Castro Silva, que recorreu ontem ao suicídio em seu apartamento, em Teresina,  por razão que ainda será melhor esclarecida e que pode envolver fatos e pessoas relacionadas ao desvio de R$ 18 milhões de verba pública. “A culpa não pode ficar só comigo” , escreveu o médico pedindo que o aviso fosse dado ao governador Flávio Dino e ao seu secretário de Saúde, Carlos Lula.

Na nota, a SES direciona o fato lamentável da morte à Justiça Federal e remete também discretamente para a Polícia Federal, que fez a operação Pegadores, resultando na apuração de desvios de recursos e prisão do médico e outros agentes públicos da Saúde, fatos de pleno conhecimento dos dirigentes da Pasta.

Na carta feita pelo médico, ele cita nomes de autoridades políticas e empresariais, além de auxiliares do governo e até deputados.

Em um trecho, ele pede para  Rafael e Thiago… Para Pinto e Tema ir a Lula e Flávio Dino…“A culpa não pode ficar só comigo…”.

Em entrevista, a ex-secretária-adjunta da Saúde, Rosângela Curado, também presa pelo PF na mesma operação, que aguentou por muito tempo calada, disse que faltava ainda muita coisa para ser investigada, inclusive de gente graúda, sem se referir a nomes.

Por fim, a nota “repudia a postura adotada por alguns blogueiros maranhenses, que nesta hora de profunda dor, onde se exige o mínimo de humanidade e compaixão, produzem conteúdo sem o mínimo de ética e respeito”, querendo abafar as revelações em carta feita pelo médico.

Humanidade e compaixão faltou ao governo quando deixou o médico pagando sozinho por ilícitos cometidos e compartilhados. Ética e respeito deveria ter o governo que, vez por outra, aparece em escândalos nada republicanos.

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo