Acusados de roubar R$ 18 milhões da Saúde, passam apenas 14 dias presos

Aragão, Valterleno e Mauro estavam detidos no Complexo de Pedrinhas…

Apenas 14 dias. Esse foi o período que parte do bando liderado pelo presidente do Instituto de Desenvolvimento e Apoio à Cidadania (IDAC), Antônio Augusto Silva Aragão, passou atrás das grades.

Presos no último dia 02 de junho pela Polícia Federal no desencadear da Operação Rêmora – 4ª fase da Operação Sermão aos Peixes – a quadrilha foi colocada à solta por decisão do desembargador Olindo Menezes, do Tribunal Regional Federal (TRF) da Primeira Região, na tarde da sexta-feira (16).

O autor do pedido de habeas corpus é o advogado Celso Henrique Anchieta de Almeida, assessor do deputado estadual Sousa Neto (PROS), genro do ex-secretário de Saúde do Maranhão, Ricardo Murad, acusado de chefiar a organização criminosa que desviou quase R$ 1 bilhão da Saúde do Estado.

Sem “costas quentes” Bruno Balby e Paulo Rogério continuam presos.

Além de Aragão, outros dois comparsas foram colocados em liberdade, Valterleno Silva Reis (funcionário que sacava os recursos federais na boca dos caixas bancários e entregava a Aragão) e Mauro Serra Santos (diretor). Os três estavam detidos no Complexo de Pedrinhas.

Já Bruno Balby Monteiro e o funcionário Paulo Rogério continuam presos.

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo