Líder do massacre em Roraima desaparece em presídio

Policiais militares e agentes penitenciários  na porta da Penitenciaria Agrícola de Monte Cristo, onde o detento desapareceu

Um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), acusado de comandar o maior massacre de presos da história de Roraima, está desaparecido dentro da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, onde foram registradas 33 mortes.Policiais e agentes fazem buscas para encontrar Adeilson Eliotério dos Santos, o Pato, que é do primeiro escalão do crime organizado no Estado. Ele seria responsável pela transmissão de informações e criação de normativas e procedimentos para integrantes da facção que estão dentro e fora do sistema prisional de Roraima.O desaparecimento só foi descoberto quando o Ministério da Justiça autorizou a transferência de dez presos do PCC para um presídio federal e Pato, que seria um dos transferidos, não foi encontrado.
Além de duas condenações definitivas na Justiça, o integrante do PCC foi condenado na Operação Weak Link a 8 anos e 2 meses de prisão por organização criminosa. A Weak Link, deflagrada em 2014, mapeou a atuação da facção no Estado e condenou lideranças a 71 anos de prisão por formação de organização criminosa.
Procura
A Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (Sejuc) está fazendo diligências internas, com o apoio da Polícia Civil e do Serviço de Inteligência Penitenciária, para encontrar o detento.
Como não houve registro de fugas, há a hipótese de que Pato poderia ter sido assassinado dentro do presídio, por causa do massacre dos 33 presos – alguns com decapitados. A ação levou à intervenção da Polícia Militar e provocou a ida da Força Nacional de Segurança ao Estado para fazer o policiamento no entorno da prisão.

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo