Sem acesso ao Sisu, candidatos do Enem temem ficar fora da faculdade

Inscrições foram abertas à 0h de terça e vão até 23h59 desta sexta (27), mas muitos candidatos só conseguiram acessar o sistema a partir das 15h desta quarta.

 Pós quase 40 horas de muitas tentativas fracassadas, estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2016 agora temem ficar fora da faculdade que pretendiam fazer em 2017. O motivo são problemas de acesso ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que começou a receber inscrições à 0h da terça-feira (24), e ficará aberto até as 23h59 desta sexta (27).

O Sisu reúne, neste semestre, 238.397 vagas em 131 instituições de ensino superior, entre elas a Universidade de Brasília (UnB), onde Ana Clara Gonçalves, de 18 anos, sonha em cursar direito.

Ana Clara fez a segunda aplicação do Enem e, desde então, tem tido problemas para acessar a nota do Enem e, agora, se inscrever no Sisu (Foto: Arquivo pessoal/Ana Clara Gonçalves)

Ana Clara fez a segunda aplicação do Enem e, desde então, tem tido problemas para acessar a nota do Enem e, agora, se inscrever no Sisu (Foto: Arquivo pessoal/Ana Clara Gonçalves)

A jovem, que mora em Brasília com os pais, estudou em colégio particular no ensino médio e se inscreveu para o Enem 2016 para disputar uma das vagas de ampla concorrência do curso na UnB. Segundo a mãe dela, a servidora pública Francisca Gonçalves, desde que sua prova foi adiada de 5 e 6 de novembro para 3 e 4 de dezembro, a estudante tem tido problemas em todas as etapas do processo.

“Desde novembro ela vem enfrentando todas essas dificuldades, o que já abala um pouco a condição psicológica. Em novembro ela não conseguiu fazer a prova porque o local de provas dela, a UnB, estava ocupado”, lembra Francisca. “Quando chegou a semana passada, na hora de saber o resultado, veio novamente a frustração. O resultado dela não saiu com os outros. Só no dia 20, na sexta-feira, ela conseguiu [dois dias depois da liberação do acesso pelo MEC].”

Quando finalmente conseguiu ver sua nota, Ana Clara viu que teria chances de conseguir uma vaga em direito na UnB: a jovem teve pontuação entre 670 e 790 nas cinco provas. A nota dela do Sisu incluiria pesos diferentes que as instituições definem para cada prova. Porém, ela ainda não conseguiu descobrir se sua nota vai ser suficiente, porque, até agora, não pode incluir seus dados no sistema para que ele calculasse sua nota final.

 “Desde ontem de madrugada a gente está tentando, eu, ela e o pai dela, em três computadores diferentes. A gente acha uma falta de isonomia, porque as pessoas não estão tendo o mesmo direito”, reclama Francisca. Ela diz que quem já acessou o sistema desde ontem tem mais tempo e informações para escolher um curso onde a disputa é mais compatível com sua nota. “Hoje a pessoa que está vendo a nota está podendo migrar para outros cursos. A Ana Clara não vai ter esse direito. Na hora que sair ela vai ter no mínimo dois dias de atraso. É uma coisa desorganizada, que não tem isonomia, o menino que não tem computador em casa, que vai em lan house, não tem chance.”

Problema de inscrição

Segundo os estudantes, a principal dificuldade está na validação dos dados para o registro. A estudante pernambucana Bruna dos Santos, de 18 anos, explica que tem tentado se inscrever no curso de jornalismo pelo Sisu desde a terça-feira (24), quando o sistema foi aberto, mas sempre recebe a notificação de que a senha é inválida.

“Segui o protocolo e mudei a senha, mas não adiantou. Liguei para o Ministério da Educação (MEC), que me pediu para abrir uma demanda online para resolver o problema. Já abri várias e recebo as mesmas orientações, que já cumpri, sem sucesso. Isso é um descaso, pois quem fez a prova por último já teve que lidar com a pressão de fazer a prova depois e o prazo para o Sisu é muito curto”, lamentou Bruna. Leia outros casos de estudantes de Pernambuco que não estão conseguindo acessar o Sisu.

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo