Sérgio Cabral gastava R$ 4 milhões por mês, diz jornal

Preso desde novembro do ano passado e réu em 12 processos, o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) tinha gastos de aproximadamente R$ 4 milhões por mês, segundo informações da força-tarefa da Lava Jato obtidas pelo jornal O Dia, em reportagem deste domingo (2). Apenas em pagamento de funcionários, médicos, condomínio e seguros de carros o ex-governador desembolsava R$ 220 mil mensais.

Imagens mostram privilégios para Sérgio Cabral dentro da prisão

Ao proferir a primeira sentença contra Cabral (14 anos e dois meses de prisão por lavagem de dinheiro), o juiz federal Sergio Moro ressaltou o “contraste entre a opulência dos acusados de praticar crimes de maneira reiterada com o dinheiro público e o arrocho imposto à população fluminense expõe uma versão criminosa de governantes ricos e governados pobres”.

Ex-governador está preso desde novembro do ano passado e é réu em 12 processos criminais
Ex-governador está preso desde novembro do ano passado e é réu em 12 processos criminais

No cálculo das despesas mensais de Cabral, o Ministério Público Federal (MPF) incluiu, também, os custos com manutenção de outros imóveis, escritórios, carros; o pagamento de aulas de equitação e sessões de massagem; a compra de joias, obras de arte, roupas e móveis com assinatura de importantes de designers; sustento de parentes, cúmplices na organização criminosa. Todos os gastos bancados com as propinas que o ex-governador negociou em obras públicas e com os recursos públicos desviados.

Ainda de acordo com a investigação a qual O Dia teve acesso, Cabral, que tinha salário de R$ 20 mil como governador, sustentava a ex-mulher e até mesmo a ex-sogra e ex-cunhada. Angela Neves e Nina Neves recebiam R$ 7,5 mil por mês do ex-governador. No aluguel de apenas um escritório do Leblon, Cabral pagava R$ 42 mil.

O jornal enumera, também, as despesas de Cabral com a ex-primeira-dama, Adriana Ancelmo, que chegou a ser presa, mas foi absolvida por Sergio Moro. Um depoimento de Michelle Tomaz Pinto, gerente-financeira do escritório dela, a mulher de Cabral chegou a gastar R$ 300 mil de cartão de crédito. Em uma das compras, Adriana Ancelmo gastou R$ 57 mil em seis vestidos e pagou R4 31,6 mil por uma espreguiçadeira. Cabral, por sua vez, contratou uma personal stylist para escolher suas roupas da grife Alberto Gentleman e gastou R$ 86 mil em ternos e cuecas.

Fatos dos Municípios

Voltar ao topo